segunda-feira, 18 de outubro de 2010

O beijo


O beijo pousou no lábio que tremia...

Chegou devagar, gentil, suave como a bruma da madrugada...
Cheio de sonhos, vontades por descobrir, desejos a brotar...

Aquele primeiro beijo parou o tempo...
Tudo caiu...
Só ficou aquele beijo... nos lábios que tremiam, que ansiavam, lábios perfeitos, por encher, por conquistar....

A mão procurou a face, o pescoço, o coração, a alma...
A mão veio e agarrou tudo..
Reclamou aquele ser só para si....


O beijo ficou,
quedou-se,
matreiro sobre o lábio que tremia...


2 comentários:

  1. Há alturas em que as palavras não dizem tudo, mas esta é uma bonita maneira de dizer quase tudo.

    ResponderEliminar